escrever: organizar montanhas

para a água passar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 .
                            

 

                                                                                                                                                                                              oiço nódoas por dentro da roupa,
todas as costuras vão dar ao lado de dentro, se fecham mais perto do coração.
os padrões pertecem ao infinito, cortá-los em forma de roupa é descer ao tempo.
amarramos conversas para podermos voar.
pinto com a roupa do avesso para não me sujar. ao sair à rua com a roupa direita, as
                                                       manchas ficam viradas para mim e estampam-me.
assim me infinito, pelo lado de fora comprando laranjas que com a gravidade esticam
                                                                       um saco de plástico em direção ao chão.
assobio as roupas que vou usar, assobio também o almoço. pela minha boca passa um
                                   fio que tece o mundo e as laranjas acontecem nas minhas mãos.
pelo lado de fora parece que que estou apenas aqui a descascá-la em espiral para um
        prato e a passar-te gomos enquanto falamos sobre onde arranjar casacos baratos
                                                                                                       para os nossos filhos.
mas na verdade somos teares de tudo, plantações do que há, máquinas de mundar.
em mim, isto vem-me de um secreto e infinito traje avesso de nódoas coloridas, onde as
                                         costuras inventam e seguram o que por fora parece um adulto.
dos panos dos nossos infinitos, costurados com o fio de saliva verdadeira, agrafados com
                                             o entrelaçar das nossas mãos arborícolas, fazemos crianças.
cada um nasce do amor ao mundo que nele nasce.
temos todos as costuras mundanas viradas para o interior do nosso coração
 e o fio dos nossos teares de tudo é um sangue mágico que vem de decantar o som do
                choro incontrolável do mundo perante a estranha e íntima nódoa primordial.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.
                                                                                                                                              eu não existo, existe este dia com as suas paredes de cidade, de parque,
com as suas sensações legendadas de barriga, de nariz, entupimento no inverno.
está ali um casal a abraçar-se dentro de mim.
a voz fala por dentro e por fora das coisas,
cria e entope, canal dique e barragem.
enquanto o mundo se aproveita da linguagem, a água corre e tu olhas.
há um subterrâneo de amor por dentro da cidade, do corpo, da voz, de nada,
há uma construção despensada cheia de bandeiras orientadoras de cores vivas onde até
                                                                                     as letras bordadas são analfabetas.
casal abraçando-se debaixo de cobertores cria por fora um inconsciente bicho de tecidos
                                                                                                                            delirantes.
há olhos, e no seu escuro uma galáxia, uma escuta de começo, um gentil toque de dedos
                        de uma fera na outra pela manhã partilhando a assombração do carinho.
olhos olhando olhos, passa uma nave de nadas especiais da minha galáxia à tua.
o mundo é uma história acolhida pelo azul de fundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EU POR AÍ
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 tenho um corpo movido a sinais, uma subida de pássaros,
um aplauso por causa de subitamente parar.
tem pedacinhos levantando, atchins perto, desportos de miudezas, uma adultidade que
                                                                     se ergue por causa de vulcõezinhos portáteis.
muitas inesperezas, bocados de mim que vou buscar aí a dentro de ti.
de todos os lados chegam pedaços para começar este corpo.
erupçinhas nas mãos, nada chega,
pedacinhos tentaculando, elevezas cantando.
está sempre tudo ligeiramente desafinado,
vou recolhendo pelas visões e subindo pelos encontros. vou desenmuralhando princesas
              nos olhos em que consigo e sapeando minha inteireza de desbeijos. vou caindo
                                                                                                           por aí, eis a verdade.
estou descolado de concentrezas, encontro-me respirado, seguindo lumeiras. tenho
        muito mais mundo que corpo, sou céu espreitando astrónomo, rolha que quis tapar
              a garrafa do oceano, antigo candidato a tradutor simultâneo do som da floresta
                                                                                                                              a mudar.
                                                                                                                                            estou me maracujando todo, cantoras entram em mim tentando me explicar
e só encontram quintais e céus de aves coloridas revoando.
dizem que fui para dentro do começo, que me mudei para dentro do caroço, que
                                                                                             planeio brotos como Brasílias.
 
nem isso, montanha que subitamente pedrinha a ir no rio,
inexpliqueza tatuada na caverna,
horto de cuidada insolidez regado a sorrires.
                                                                                                                                          fui para este lado de dentro onde fico curtindo inexistir, brincando com todas estas
   pecinhas de mundar onde se contam tu eu que roupa vestir três morangos que lindo
                                                                                                                      dia buuum!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A NOIVA DE TUDO
                                             

 

 

                                                                                                                                                                                                                                           é um entusiasmado véu de noiva,
que coroada montanha clara de luzes e cores.
alta da altura humana, habitada nas encostas por flores e bordos cozidos de mundo.
um rosário de ilustrações mundanas e gente a trabalhar por todos os lados, árvores
             excêntricas e normais, paisagens de amanhã, coleções de preciosas pobrezas
              multiformes: tudo ali aparece bordado nas cores justas e inesperadas. é uma
                                                                                    narração que abraça o conteúdo.
um véu de montanha noivada, queda da aparição para todos os lados,
decorada com coisas e coisas. umas estampadas, outras de relevo, tudo ao véu cosido,
                      mundo se gastando de modo precioso e útil naquela montanha de tecido.
durante milhões de dias minúsculos, foi contruido por pessoas com fios que saem
         diretamente do seu sangue. pessoas cujo sangue não é talvez vermelho nem azul.
as suas flores de tecido foram acendidas de beijo, as suas cores polidas de presença.
era um véu muito brilhante, cone de reunião de alegrias, beijo de língua do céu ao chão, ereção de mata habitada que sobe da terra para o azul.
tem partes simétricas e outras dançando, tem cocentros e sinuzonas.
os seus motivos emigraram para a potência, sabe de cor todos os equilíbrios,
está estampado numa superfície de branduras muito abertas. tem pontos de exclamação.
                                                                                                tem muitos olhos ilustrados.
tem dobras de mistério fofo e tem navios encantados navegando em fitas de regatos
  azuis e em espessos rios bordados intensa e musculadamente a ultramarino por negros
                                                                                                                       apaixonados.
e os barcos têm  bandeiras de festa em cores que são sorrisos de gente.
e tem muitas bandeiras de países cujos nomes são partes de um corpo em nascimento.
e tem muitos pequenos homens sábios sentados nas faldas desse véu, usam cores pastel
       brancas amareladas azuladas verdes às riscas calmas. e das suas bocas saem frases
       afiadas e lindas que ficam bordadas ao lado deles em balões de quadrinhos. tem até
     um cheiro de talvez por todo o lado do véu. talvez um bosque, talvez uma esplanada,
                 talvez uma caixa cheia de brinquedos, talvez um estádio cheio ou vazio. estas
     palavras que escrevo vêm das mesmas panelas que cozinham esse cheiro, panelas de
           pequenos acampamentos de maravilha alcantarilhados por todas as dobras dessa
                                                                                      montanha de tecido-véu de noiva.
e as estrelas cairam todas nesse manto coroado de clareira, nessa erupção descansada de
                                                                                                                        delicadezas.
só não tinha uma mulher por dentro, no avesso onde moram as costuras, alfinetes,
                                         pespontos e espantinhos trabalhadores que seguram tudo isto.
só tem lá ninguém, pessoa nenhuma, espaço.
melhor assim, desse modo tudo já pode casar com tudo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A FLOR-FOGUETE
                                 

 

 

                                                                                                                                   lembra no céu a forma abobadada da alegria,
a saia exaltadamente batendo em retirada para o amor entrar.
se oferece ao azul, o noivo infinito,
vai subindo para tudo, de abraços para quem chegar cheirando vendo tocando e
                                                                                                           comendo, sabendo.
tem seus  segredos escondidos do lado de fora,
e sons sagrados exalados de dentro como convites com formas de insetos muito
                                                                                                                         particulares.
aproveita os insetos para enviar publicidade do amor.
tem a raíz dentro de abismos que são a mãe do foguete, uma imagem na água que
                                                                                               antecede o original refletido.
o início é mais lento que a luz e faz amor com ela, convidando-a assim a entrar no
                                                                                                                               mundo.
suas vizinhas são ela própria e o espantoso sinal de sim,
que apontando para todos os lados ao mesmo tempo perde os visitantes no jardim e os
                                                                                                      deixa a sós no coração.
quando chora nasce de novo, pois não sabe voltar a casa e brota ali mesmo.
ela são metáforas fazendo amor umas com as outras.
ela ouve a morte ao centro da festa da roda de ciranda, como uma pupila negra rodeada
                                                                   de uma íris em permanente mutação de cores;
olhando como um convite, com a certeza de que morrer, como um raio de luz a entrar
                                 no corpo para ser visto, é apenas ser sabido pelo outro lado da vida.
intuição que sobe, como um enorme alto do manto colorido ao centro do leito dos
                                                                                                                             amantes.
nasce nos campos perto de onde se cante. como as outras plantas têm uma inteligência
                                                                                        para a água ela tem para o som.
cantando cura o mundo, e sua flor estoura nos ares e nas raízes como o amor no peito e
                                                                                                                        nas vísceras.
a sua subida é um foguete em cama lenta, fazendo amor com tudo pelo caminho, desde
                                                                                               o início dos zeros do tempo.
a sua flor subindo é um foguete do século passado que só tenha florido neste, é uma
  sabedoria antiga que os velhos de entre os velhos te dão a beber das suas próprias mão
                                                                             nodosas de tanto plantio, soco e carícia.
                                                                                                                                     lembra no céu a forma abobadada da alegria,
a saia exaltadamente batendo em retirada sobre a cabeça para o amor entrar.
se oferece ao azul, o noivo infinito.
quando uma mulher ama, é a paisagem parindo mais paisagem,
e a sua personalidade permanece apenas enquanto leve perfume de sim! pousando
        como vapor à luz do poente sobre espinhos, aberturas, exuberâncias, fomes, lábios,
                                  olhos, cabelos, confusos amorosos, todos os nós enrolados e leves.
começa muito antes de si e acaba muito depois de sempre.
ela é o mundo sem medo de se unir e cuidando de uma criança pequena.
ela nasce até do espirro querido de uma anciã.
tem inúmeros vestidos de todas as cores e padrões, e usa-os a todos sobretudo pelo
                                                                                                                 prazer de tirá-los.
a sua voz abre as outras flores ao meio e mostra às pedras que elas estão morando no
                                                                                                                               espaço.
esta flor é o foguete da festa de se poder existir na terra.
os festeiros são os nossos antepassados e os nossos sonhos de filhos.
a galope nas formigas, assistimos a tudo isto em vários canteiros.
povo cada vez mais pequeno,
oramos segundo a religião que diz que cada broto começa o tempo.
minusculamos também nos costados das trupes de insetos que levam esta rebentância às
                                                                                                                     outras plantas,
ficando completamente bêbadas de buuum!
a sua semente tem a forma da lua e do sol quando se sobrepõem.
adora morrer para alimentar outros.
a festa começa quando tu chegas a ti, desapareces e fica esta flor.
é o orgasmo da terra, é feita de serpentinas jorrando dos carnavais vividos por todos os
                                                                                                                       que já foram.
nasce da junção com cola forte das pecinhas soltas dos brinquedos das crianças dos
   últimos dez séculos. e, quando é assim, acaba sendo natal despedaçando-se em todas
                                                                                                                         as direções.
o seu contorno é exatamente a silhueta do encaixe dos sexos, e nos manuais o desenho
                                                           dela fica parecendo um vulcãozinho de lápis de cor.
                                                                                                                                     lembra no céu a forma abobadada da alegria,
a saia exaltadamente batendo em retirada sobre a cabeça.
se oferece ao azul, noivo infinito.
ela reencarna sempre no mesmo sítio e com ela a chatice nunca tem sorte.
ela só assombra que precisa de sombra, inspira quem precisa de respirar e ilumina quem
                                                                                                            está debaixo do sol.
é um milagre perfeitamente óbvio.
é fogo vegetal, e em torno dela é simultaneamente dia e noite.
abala o espaço com as suas erupções de delicadeza.
é o festejo da terra, o abismo colorido de outrar-se, religião das crianças e dos
                                                                                                 encantadores de sementes.
acaba com a monocultura de tempo para instaurar a presença, o ritual do carinho
                                                   surpreendente e as plantações de afeto firme e biológico.
                                                                                                                                              é o mistério substancial e de saia rodada. é o jubilo natural dos que se dedicam e cuidam.
é a manifestação da certeza que a terra é desafio e festa, trabalho e ciranda, abismo
                   revelador, viagem enraizada, mudança constante do presente claro explosivo
                                                                                                      perfumoso e comestível.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

as palavras sobre o mundo

têm o mesmo efeito que a lingerie sobre os teus seios.